ICC Blog

Análises e Perspectivas sobre Questões Globais e Comércio Internacional

  • Global Trade & Business
  • 07/12/16
  • Gabriel Petrus

Não foi apenas o PIB.

Nesta semana, o ranking Enabling Trade Index  – que avalia em que medida as economias de mercado tem promovido o livre comércio – revelou que o Brasil caiu 13 posições em relação ao balanço de 2014-15, figurando em 110º lugar.

O indicador com piora mais significativa é o foreign market access. Ele considera as tarifas às quais estão sujeitos os exportadores e produtos brasileiros no exterior, bem como possíveis margens de preferência em razão de acordos bilaterais ou regionais. Estamos perdendo espaço:

A queda no ranking não significa, necessariamente, que o Brasil tenha se tornado [ainda mais] protecionista no período. Mas revela dimensão igualmente preocupante na estratégia de inserção internacional do país: que outros países tem tido habilidade em avançar de forma muito mais célere e consistente, a exemplo do que revela o protagonismo de muitos deles em negociações como o TPP, o TTIP e a Aliança do Pacífico.

Nesta quadra histórica, o Brasil enfrenta um triplo desafio: 

- Superar os gargalos pré-crise: déficit de infra-estrutura, complexidade tributária, e baixo investimento em capacitação e inovação.

- Repactuar a relação Estado-sociedade, tanto na dimensão da transparência (combate à corrupção) quanto das finanças públicas (reforma fiscal e eficiência do gasto público).

- Preparar-se rapidamente para competir no mundo novo, em que economias mais desenvolvidas protagonizam a definição dos padrões da manufatura avançada, redesenhando de forma célere as cadeias globais de valor.

Sob o risco de ficar para trás, o Brasil precisa estar atento às melhores práticas adotadas pelas outras economias. Mais do que nunca, a base de comparação de qualquer medida econômica deve ser sempre internacional, sob pena do país perder competitividade de forma exponencial.

Rankings internacionais podem estimular formuladores de políticas públicas a identificar em que áreas o país precisa melhorar prioritariamente e, sobretudo, em que velocidade as reformas precisar ser adotadas. Aceleremos.

--

*Enabling Trade Index é um estudo da Global Alliance for Trade Facilitation Alliance (da qual a ICC é co-chair) e do World Economic Forum.

  • Informações do autor
  • Gabriel Petrus
Compartilhar